O milagre está aí para quem acredita!

Todos os dias nos deparamos com situações que nos fazem refletir ao pensar no que seria a solução. E não é incomum escutar expressões do tipo “só Deus” ou “vai precisar de um milagre” por terceiros. Isto quando não é proferida por nós mesmos.

Eu particularmente vivi alguns. Da presença de Deus e sua misericórdia, até a cura de obstrução coronariana que tive, sem explicação.

De tudo o que vivi, notei que Deus tem enviado mensagens na operação dos milagres. Estas nem sempre fora compreendidas ao tempo dos acontecimentos.

A inabalável fé tem me dado força para seguir nos mais diversos desafios. Nenhum é fácil. Todos são desconfortáveis. São muitas as tentações para me tirar do caminho. Com fe, todos fracassaram.

Mesmo assim temos nossas recaídas. Esse mês não foi diferente.

Este mês, enquanto muitos aguardavam com fervor as manifestações do dia 07 de setembro em que escrevi que seriam essencialmente em favor da liberdade, igualdade e prosperidade, fui surpreendido com uma notícia difícil no dia 04, sábado a noite por volta das 20 horas quando chegava em búzios para descansar.

Meu médico telefonou para informar que havia uma alteração no exame de sangue, nas proteínas do figado que estavam elevadas. Quando soube que estava em Búzios, afirmou que embora fosse difícil, melhor seria parar imediatamente de beber e retornar ao Rio para repetir o exame o quanto antes.

Para a surpresa dele eu não estava bebendo, havia acabado de chegar e independente disso tenho até bebido menos, quase nada, se muito uma vez por mes e olhe lá.

A esta altura do campeonato ficar em búzios sabendo que teria que retornar o quanto antes para novos exames seria muito difícil. Não fosse pela presença do Bruno meu irmão e a Denya confesso teria ja retornado na mesma madrugada.

Curti o quanto pude, Paulo me distraiu e consegui passar o dia sem muito me preocupar.

No dia seguinte retornei ao Rio repetir o exame. não sabia o que esperar. A resposta superou todas as minhas expectativas, para o pior.

A inflamação havia aumentado pelo que acusava o TGO e TGP. Um deles subiu de 40 havia para 800. O segundo de 20 para 300.

Exceto por uma sensação de cansaço bem notada pelo Paulo, não sentia dor nem sabia o que fazer. Ao final da semana, repeti os exames e me assutei. Os índices haviam subido denovo, um para 1.000 e outro para 320.

Quando então meu médico sugeriu chamar um hepatologista para me acompanhar dado o fato que a situação estava evoluindo para pior.

Foi quando então me lembrei da querida amiga e médica Juliana Barrocas. Alem de competente, ela bem me conhece, e isto é bom porque agilizou a anamnese de paciente que recebeu no bonde andando.

Ampliei o número de marcadores nos exames e o susto foi maior. Os índices se elevaram para 1400 e o segundo manteve-se estável. A essa altura já havia por indicação médica suspendido os exercícios, a dieta, os remédios e o trabalho. Sim, ela pediu para eu ficar em casa, só não estava internado porque estava sem dor.

Nova semana, novos exames e novo aumento dos índices, chegaram ao valor de 1690 subindo, enquanto o segundo havia apresentado ligeira queda. A essa altura do campeonato, com a perspectiva de superar a barreira de 2.000 comecei a me preparar para o que poderia ocorrer nessa alta.

Revirado do avesso e sem diagnóstico fechado de hepatite e qualquer outra causa, tive que fazer uma tomografia, porque no final das contas seria indispensável a realização de uma biópsia.

Em casa, sem trabalho, sem exercício, sem remédio e sem dieta, minha vida virou do avesso. Nada facil. Porém o destino estava por mudar.

No último exame estava bem chateado. A essa altura a Amil passou a exigir múltiplas senhas para autorizar os exames de sangue. O que deveria ser fácil se tornou um percalço. Lembro bem da última vez que fui ao laboratório fiquei bem 45 minutos assinando requerimentos e pedindo liberações.

Nenhuma vontade de estar ali, nenhum conforto em repetir tantos exames de sangue.

Quanto então, exausto, sentei ao banco incrédulo e ouvi da pessoa que estava ali me aguardando para tirar o sangue “filho o que aconteceu com a sua fé?”, afirmei “segue inabalável” quando então ela respondeu “então está resolvido, vai para casa descansar”.

Esta não é a primeira vez que ele me manda esse recado. De fato havia me afastado das orações em meio ao trabalho que combato tanta injustiça.

Nem ela foi a primeira portadora desta solução, recebi de um conhecido por WhatsApp a informação que sou importante demais para ir tão cedo. No domingo anterior ele me escreveu e pediu para melhorar o humor, disse que a tristeza atrapalha.

Ontem recebi a informação que tive uma melhora súbita e inexplicável. Ainda que para a médica isto não seja incomum, concordo com ela no ponto que para quem cre em Deus, receber benção, testemunhar a gloria e a operação de milagre de fato é normal.

E isto aconteceu denovo.

Aqui estou em franca melhora. Ainda que Deus tenha criado a ciência e esta não tenha competência para explicá-lo, eu acredito que a fe basta, capacita as pessoas.

Estou animado pelo exame que farei amanhã e aguardo dos médicos a informação de cura ainda que sem explicação. Não vai ser a primeira nem a última vez que isto acontece na minha vida.

Graças a Deus!!!!

E a mensagem que recebi na última interseção vigorosa dele em minha vida foi “quando a gente perde a gente ganha”. Verdade. Com ele só ganhei. A mensagem deste recente episódio esta sendo processada, e quando fizer sentido vai ser explicada em outro texto.

O milagre anterior veio no link

https://pedrolvaz.com/2019/01/11/2019-um-ano-milagroso/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s