questão de sangue… e do cacete de agulha!

Segunda pela manhã fui ao laboratório tirar sangue, algo que, sendo eu filho de médico e com o histórico de intercorrencias que tenho, posso até incorporar no meu nome a palavra e me chamar Pedro Hemograma Vaz ou em uma versão mais simples Pedro Bastonetes Segmentados Vaz.

O exame estava marcado para as 7 da manhã, ou seja, acordei cedo para dar tempo de chegar e preencher aquela dúzia de guias do seguro, não consigo entender, com tanta tecnologia, em plena era da internet temos que preencher tantas guias, até parece que é uma folha para cada nome…

Nesta segunda-feira eu estava com as mãos cheias, algumas sacolas da Paula que ficou retida no guichê, fiquei sentado na recepção esperando que a chamada seria conjunta, mais não foi, e logo após tirar a foto do instagram ouvi aquela voz, inesquecível voz que exclamou em alto e bom tom, do centro da sala, o nome de quem??? quem poderia ser??? Pedro Vaz.

Fui ao encontro da funcionária que me levou ao que parecia um guiche, sentei na cadeira, olhei para a pessoa, peguei as sacolas, coloquei a direita, mais não tinha espaço entre a cadeira e a divisória, movi rapidamente para a esquerda, mais havia um recorte na divisória do guiche e as sacolas e ficavam longe de mim, então movi novamente mais para perto da cadeira quando então a pessoa não resistiu e perguntou “tudo bem?”

– “ótimo, estou estocando sangue para filhote de vampiros” pensei, mais preferi responder sem pensar simples, singelo e rapidíssimo “sim”… fim? não! a missão estava longe de terminar, a pergunta difícil que veio em seguida foi “de qual braço você quer tirar”.

Olhei para o braço direito, parecia bom e disposto, olhei no esquerdo, idem, idem… as sacolas estavam a frente, a cadeira meio que torta então dane-se a escolha, disse que poderia ser no esquerdo mesmo porque de fato era só arregaçar a manga, seria mais rápido, acabaria logo com esse sofrimento e ponto final.

Então foi assim: garrote no lugar, cadeira na diagonal, sacolas, telefones etc em algum lugar, “tudo bem” falei na voz formiguinha e agora vai… não foi, o que veio foi a palavra telegráfica “descartáveis!” e a imagem sinistra de plásticos e tubos, dentre eles um parecia uma banana, ah meu deus será que esse troço vai ser acoplado no cacete de agulha?

Dito e feito, cacete de agulha, cacete de recipiente que era maior que uma banana e de pensar senti um frio na espinha, cacete da enezima vez ao cubo que faço exame de sangue, enfim sentado no trono com a tia dos descartáveis, do lado esquerdo, olhei para aquele tubo encher, tudo bem, tudo certo só que parou quando chegou no meio e pensei “fu….” a pessoa soltou o garrote suponho andar mais rápido mais o tubo demorava para encher.

A essa altura eu ja estava querendo o meu sangue de volta mais não pude, aguardei o cacete de agulha cumprir sua parte enquanto paulinha ainda regularizava a questão do cadastro na recepção, ao final suspirei e pensei, felizmente e agora acho, só vou repetir no ano que vem.

Não desisti… tomei um café, comi um biscoito, relaxei, senti um sono tremendo e passei o resto da manhã com a paula rindo da reação que desenvolvi sempre que tiro sangue, depois de tantas as vezes que tirei o sangue, isso ja estava a caminho do Rio Sul para outro exame.

Pois é, quem diria… tirar sangue, que emoção hein ??!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s