Ao meu pai com amor !

A vida me reservou um raro e especial momento, de falar sobre meu pai na cerimônia de entrega da comenda Pedro Ernesto na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro.

Com felicidade e emoção relatei que o Doutor de uns na realidade é meu pai. Dedicou sua vida inteira a medicina, e conseguiu ainda assim ser presente em sua família.

Chamou seu filho de Pedro, nome intrigante dado por Deus aquele que é o porteiro do céu, e talvez por coincidência (que não existe) ao nascer não chorei, observei e descansei.

E como tal, ainda que estivesse ocupado entre plantões e hospitais, conseguiu estar sempre presente.

Conseguiu sabe la como se dividir entre plantões, simpósios, palestras, congressos e cirurgias interminaveis, com sua família, fora os pacientes de consultório.

Aprendemos desde cedo o quanto é importante valorizar os momentos que estamos juntos, porque a qualquer momento o telefone pode tocar e um paciente precisar dele.

Ciente disso, procurei acompanhar e auxiliar ele sempre. E assim foi, a época nos slides de temas e tópicos em congressos (DRGE, úlcera peptica, trombose venosa) datilografia de tese de mestrado, livre docência e por ai vai. O entusiasmo dele ao ver o resultado de cirurgia e técnicas cirurgicas me cativava.

No quadro de cortiça do escritório tínhamos foto dele de capote, segurando tumor com duas mãos, lembretes, convites e o meu boletim com nota ruim em matemática. E como era raro estar com ele ao longo da tarde, não esqueço o dia que o fiz me acompanhar, e toda a turma do colégio, para entrar na boneca EVA do estacionamento do Casa Shopping e falar sobre o corpo humano, porque era dia dos pais.

Na casa de meus pais é dia do pai todo dia. Do pai e da mãe, afinal se não tivesse ela por perto seria realmente impossível chegar onde esta. Mamãe é perseverante, autêntica e não mede esforço nem palavras para nos ajudar.

Mamãe é regente da vida do papai. Sem ela dificilmente conseguiria ajudar ele nas inúmeras candidaturas que enfrentou e cerimônias que realizou. Nossa quanto tempo, e como a vida passa rápido!

Fim do dia sou feliz pela família que tenho e pelas realizações do meu pai, palavras não faltam para contar o que vivemos juntos, conseguimos ao longo dessa vida superar grandes dificuldades em razão de fatos da vida, e agora recém pre casado denovo (ontem assinamos nossa união estável) espero ter muito o que celebrar.

Mais especial ainda foi no período de luto por ter perdido toda memória digital recomeçar com isso, e estar junto de amigos que hoje considero família para dividir esse momento eternizado.

Novos tempos virão!

Ontem recebi um vídeo da tv câmara com um trecho da cerimônia.