Do abstrato a realidade

De tempos em tempos temos a oportunidade de viver momentos que são maiores do que nossa existência. A gente solta os controles, deixa a roda viva da vida girar e muito se acomoda.

Esse final de semana semana foi assim. Meu coração transborda de amor enquanto assisto pessoas próximas se mobilizarem para contribuir e ajudar na divulgação do projeto da padaria social.

Nossa existência, pensando na evolução da humanidade é insignificante. Não obstante, entendo e aprendi que esse curto tempo é intenso, nada fácil, posto que viver é violento.

Falta ao mundo (porque n√£o) um olhar mais atento aos povo, as vi√ļvas, aos vulner√°veis. Aqueles que s√£o o tra√ßo caracter√≠stico e motor da sociedade est√£o a√≠ ha uma vida sem leito, hospital, uti, emerg√™ncia, upa, e por ai vai.

A const√Ęncia do trabalho e a supera√ß√£o dos problemas rotineiros ordin√°rios e extraordin√°rios em algum ponto vira alicerce da vaidade.

Aqui n√£o.

Seja pelas quest√Ķes existenciais, de sa√ļde e profissionais que enfrento nesses quarentena e cinco anos, aprendi a entender e me situar dentro do contexto.

E nesse contexto, desprovido de força, humildemente contei com a ajuda dos voluntários que montaram essa campanha.

A mim coube idealizar e espalhar essa onda do bem, justa, sem partido, sem ideologia, com o √ļnico proposito de ajudar ao outro.

E agora com o avanço que tive esse final de semana um sonho, uma estrela vai brilhar. Vai alimentar, gerar emprego, acolher, vai ser o simbolo mais próximo de nossa presença a Jesus.

Padaria Social – pontap√© inicial de amor e emprego!

Aprendi nos in√ļmeros embates da vida a parar e olhar para o pr√≥ximo, e para o entorno.

Se de um lado consigo com facilidade interagir e me doar as causas, por outro admito que por muitos anos sequer consegui receber sequer elogio pelo meu trabalho.

Depois de muita terapia, entendi que parte dessa dificuldade tinha correlação com o que sentia e via da minha imagem.

Felizmente evolui e isso mudou!

Aprendi a amar a mim mesmo e também ao próximo. Esse valor, o de interagir, entender, acolher, ajudar e receber não tem preço.

E arregacei as mangas para dar início ao mais ousado projeto social da minha vida, o de amparo ao próximo.

Segue abaixo o banner do projeto, voce pode doar qualquer valor, que ser√° gerido com ato de amor.

http://vaka.me/2022527

Do Luto ao Util

Logo após o término do meu casamento entrei num luto, que de início parecia interminável. Doia a ponto de chorar espontaneamente seja la onde estivesse e o que estava fazendo.

N√£o conseguia me ver al√©m daquele sofrimento, situa√ß√£o de ang√ļstia e dor no peito.

Optei por sumir, na esperança embora sem certeza, que esses sentimentos um dia sairiam de vez da mesma forma que vieram, para nunca mais voltar.

Ledo engano.

Não conseguia sorrir sem ter no fundo do pano a interferência do passado, ainda que a situação posteriormente havia mudado.

Entrei num conflito interno e comecei a me questionar porque estava vivendo isso depois de ter superado tantos problemas e desafios juntos.

A realidade do Brasil e a periculosidade da vida nem sempre nos permite colocar a cabeça no lugar. Vivemos uma grande interferência digital e social que, juntos são o catupiry da cobiça a vida alheia, pior doença da atualidade.

Meu coração petrificou.

A partir daí tudo ficou diferente. Passei a me escutar, o que antes não fazia. Se falo sozinho agora me respondo também.

O óbvio e trivial, como o barulho da chuva passou a soar diferente. Ate mesmo a batida do coração quebrado pela relação que havia acabado mudou.

Vários foram os motivos que contribuíram para esse fortalecimento, mudança de postura e atitude.

Conheci varias pessoas em dois grupos do clubhouse que me deram voz sem qualquer outra intenção.

Hoje me permito conhecer pessoas sem medo. Escutar que sou bonito, inteligente, engra√ßado, pessoa para tomar um vinho e at√© mesmo vov√ī da lancha sem questionamento.

Hoje sou livre. Ainda que n√£o sinta grande felicidade, se √© que existe, ao final dos dias a √ļnica certeza que tenho √© que vivi intensamente.

Sem suposi√ß√Ķes e frustra√ß√Ķes. Esse sou eu.

Viver assim não tem preço, ainda que não seja o melhor começo, ta valendo.

Aproveitei esse tempo livre e decidi, sozinho, investir em mim. Da pele a alimentação, com exercícios. Esse é o novo pedro.

√önico downside de refazer a vida aos 45 anos √© a idade, n√£o sei o que fazer com isso, n√£o favorece tanto para a sa√ļde quanto na est√©tica, ningu√©m merece.

√Č a idade que tenho, estou sorrindo, meus filhos me amam, segue o baile!

Feliz P√°scoa o ano todo!

Legal de viver é evoluir, olhar para traz e reconhecer os erros e acertos. Refletir sobre a própria vida, buscar algum sentido na experiência e fora da zona de conforto andar.

Hoje faço uma releitura dos meus posts sobre a Páscoa, do quanto evolui, acertei e errei ao longo dos anos.

No primeiro, ainda em 2012 escrevi que ‚ÄúA historia revela que a palavra P√°scoa adv√©m do nome em hebraico da festa judaica √† qual a P√°scoa crist√£ est√° intimamente ligada, n√£o s√≥ pelo sentido simb√≥lico de ‚Äúpassagem‚ÄĚ, comum √†s celebra√ß√Ķes pag√£s (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida), mas tamb√©m pela posi√ß√£o da P√°scoa no calend√°rio.‚ÄĚ

Vivi naquele ano o fim da escravidão da minnha mente em relação aos conceitos e preconceitos que tinha comigo mesmo. Naquele ano entendi depois de algum sofrimento que era gay.

E poder falar e escrever isso em voz alta para ninguém ou alguém, se e quando quiser é uma liberdade que não tem preço.

De volta a transforma√ß√£o, nos anos seguintes em poucas ocasi√Ķes e no per√≠odo de P√°scoa agradeci a Deus pela ajuda na reconstru√ß√£o do trabalho, pelo amor que vivi e a nova fam√≠lia que me recebeu de portas abertas.

Neste ano o período de Páscoa continua protagonista de mudanças profundas em minha vida. Não sei ainda qual será o reflexo disso, porém tenho certeza de uma coisa, estou no meu lugar.

Este sentimento fecha um ciclo e a constatação que embora sempre sentado no mesmo lugar do sofá, se antes ouvia e depois respondia, agora as conversas mudaram.

Fui durante muitos anos uma figura silenciosa no mundo e meio social que vivo, agindo como um filho, amigo-rob√ī do que seriam as expectativas criadas ou exigidas pela cidade ou sociedade.

Havia um abismo entre o lado extrovertido que existia para interagir com as pessoas com o introvertido e complexo das fórmulas e pensamentos.

Os anos que seguiram foram de grande valia, descobertas, me tiraram do mundo da incerteza, insegurança e fantasia no lado afetivo para o que é real.

E apropriar-se de minha hist√≥ria e pensamento foi libertador. Passei a viver a tend√™ncia de ser eu mesmo nos erros e acertos. Reconheci na figura do ent√£o marido uma fortaleza. Ele esteve presente em quest√Ķes muito dif√≠ceis.

Agora sentado no sofá da sala, enquanto espero meus pais descerem para o almoço que faremos de Páscoa, me dei conta.

Esse lugar é meu, essa história aqui de que me aproprio, não é mais de conflito. Minha relação com eles mudou. E nesse ano de Páscoa conseguimos olhar para traz, virar algumas páginas e avançar com amor. Ainda que não tenha sido esse objetivo, foi a situação e mudança que se apresentou.

Tanto com eles, quanto a de um amigo que ressurgiu para me dizer o quão importante e significante é a minha presença e conselhos para todos aqueles que interajo.

Isso n√£o tem pre√ßo… agora se tiverem curiosidade de qual √© o lugar f√≠sico na casa a√≠ esta.

Boa P√°scoa!

Excel√™ncia, poe a m√£o na consci√™ncia!!!

Confira o link https://youtu.be/5qHQ0uALqK4

SEM PARAR: RUI BARBOSA
02/04 20h25
Placa:C**9109
Valor:R$ 350,89
R$7,595/L
Gasolina Aditivada
Ate breve! #abasteceupartiu =)

Hoje abasteci e me senti protagonista da satira de Jo Soares na d√©cada de 90 sobre os sucessivos planos econ√īmicos. S√≥ que hoje n√£o senti gra√ßa alguma. A gra√ßa saiu da s√°tira e veio para mim. Uma mistura de indigna√ß√£o com uma pitada de incompreens√£o tomaram conta. E fiquei amargo.

Em um dos epis√≥dios o personagem Carna√ļba e seu auxiliar, quando perguntado se havia lido o pacote e se os trabalhadores iriam gritar de alegria, lhe foi respindido que sim. Gritariam muito e a CUT tamb√©m.

Alem destes os cortadores de cana iriam explodir, pecuaristas babar, alugueis revistos com inquilinos na rua… para comemorar, enfim, todo tipo de atrocidade em desfavor do povo seria feito na assinatura do pacote.

Em outros epis√≥dios foi perguntado se os trabalhadores iriam arrancar os cabelos….. de tanta alegria? Respondido que ficariam carecas.

Fato que no Brasil não há pressa. Estamos nos rasgando de descontentamento e estou particularmente chateado com a falta de priorização do estudo.

Se eu que estudo at√© hoje, tenho acesso ilimitado a √°gua pot√°vel, luz, telefonia celular pr√≥pria, seguro de sa√ļde, casa passo por situa√ß√Ķes dif√≠ceis, n√£o estou imune a falta de sa√ļde e necessidade, o que dir√° o povo?

Muito recente a instituição que ajudo a fornecer quentinha as pessoas de rua começou a ter dificuldade.

Pedi para ver as contas e fiquei impressionado o quanto conseguimos fazer com muito pouco.

Se o particular consegue sobreviver e chegar a lugar que n√£o chega o governo com t√£o pouco o que falta?!

Faltam a estes que est√£o no governo botar a m√£o na consci√™ncia…….. para ser educado e dizer pouco.

E para aqueles que quiserem entender como estamos no orçamento, qualquer valor vale. Na prática estamos sem 2-3 doadores fixos que viraram eventuais, e contamos com ajuda voluntária de quem quer ajudar.

To na missão de multiplicar essa corrente do bem em amparo ao próximo. E se voce tiver interesse e puder ajudar, o nome esta abaixo e tem um link no perfil do insta que liga a uma cesta básica.

Solidariedade, gentileza e empatia. Assim realizamos mais uma ação social com pessoas em situação de rua. Distribuímos 150 quentinhas, bebidas e máscaras contra covid-19.

Juntos somos mais fortes! Muito obrigado pelo apoio!

Associacao Amparo ao Pr√≥ximo. Banco Ita√ļ AG. 0204 C.c. 366603. CNPJ. 31.059.075/0001-71

Pix: 31.059.075/0001-71