Porque o panelaço em meio ao Coronavirus.

De um tempo para ca, panela e politica tem se assemelhado a torcida organizada em partida de futebol em final de campeonato. Não tem jeito, não se misturam, jamais vão se misturar. Temos sorte que ainda se respeitam e batem panela com alguma civilidade.

E porque batem?

Porque alguns politicos tem um projeto audacioso de transformar a nação através da política usando os eleitores colocando uns contra os outros como se fossem oponentes em uma partida de futebol.

Nós vamos perder a partida. O Brasil não esta preocupado com nós. Nem nós que empreendemos estamos acostumados a receber alguma coisa boa em troca no Brasil, exceto dívida e imposto.

Só que contra nós, nossa família e amigos vem o cadastro negativo, positivo, escritório de cobrança, protesto e ações judiciais.

Contra o Brasil vem o que? Nada. Ainda tem a pecha de começar o ano no calote oficial, como se natural fosse, e nenhum servidor público ate hoje, pagou pelo furo no caixa. Zero.

Então porque o povo bate panela. Obvio. O governo exige parar, não se preparou, não se antecipou, agora de trás para frente, promove isolamento e desemprego, ao passo que oferece uma merreca de dinheiro para uns, e crédito para outros.

Enfie o crédito no orçamento da união. O povo não quer crédito, quer dinheiro, trabalho digno e um salário com poder de compra para ter uma vida digna. Enquanto esses políticos não entenderem que um pais sem educação e sem uma economia que permita a pessoa viver de seu salário não vai para frente, reações como essas virão.

Que venham os panelaços. Ainda que inoportunos, improdutivos, inúteis, representam o sopro de dignidade e democracia que ainda há por aqui. Talvez o último orgulho que temos em ser brasileiros.

Talvez se negativasse o nome do ministro, de todos no ministério e do técnico, entenderiam o mal que fazem a nós, sairiam da zona de conforto e se reinventariam como instituição brasileira, da mesma forma que nós fazemos ao superar sozinho os nossos problemas. Mais ação gera menos panela.