Passado muito presente

De tempos em tempos me dou conta do quanto sou atropelado pela tecnologia.

A evolução proporcionou a universalização. E com isso, novos usos. Se no passado a dificuldade era ter um equipamento capaz de nele programar e se conectar a internet, hoje não existe dificuldade a conexão.

Nossa presença em todos os sistemas se resume a duas expressões: on line/off line.

É difícil encontrar quem não tenha o hábito de deixar de olhar o celular ao dormir e acordar.

Muitos pautam seus dias com base nas conversas e notícias recebidas. Poucos se perguntam quem pauta a notícia e qual o interesse e relevância dela em nossa vida?!

A quem estamos servindo por ser audiência dos links patrocinados e das matérias a nós empurrada.

Fato: computadores velhos para muitos são obsoletos porque não tem a capacidade de processar páginas atuais e subsistemas da internet.

Por ter a evolução tecnológica substituído a programação pela utilização de aplicativos, a quase ninguém interessa aquela máquina lá.

A inovação e tecnologia não poderia, jamais, abandonar sua própria história de desenvolvimento, criação de hábitos e por aí vai em detrimento do que se pode aprender no presente.

No equipamento antigo a resposta não esta na mão. Tem o tal de aprender uma linguagem e mandar um comando para, algumas vezes, ter por resposta… um texto.

Ainda que não seja no presente a utilização destes equipamentos óbvia, o entendimento do que é a tecnologia passa pelo aprendizado de sua evolução, do passado muito presente, ao que hoje pode gerar.

A transformação da sociedade passa pela tecnologia, pela técnica e pela inovação.

Por isso, sem esquecer do passado e com olho para o futuro não deixo de usar e programar o que ja foi o presente e me deu base para usar todo e qualquer dispositivo moderni e atual de informática.

Ainda que esse nome seja ultrapassado, quem se lembra?!