O que será do amanha? Se viver é morrer, e morrer é renascer.

Desde pequeno sempre tive – e dificilmente vou perder – medo da morte. Tenho duvida do que acontece depois que morremos. Fico arrasado, não consigo imaginar perder quem amo. Após anos de psicologia conclui que não é psicológico, é um pensamento normal e racional, sobre um evento futuro de quem vive, solitário, desconfortável e que doi no inicio para quem fica depois do sofrimento deixa saudade. Renasci esses últimos meses com a aparência que tive esses últimos anos. Tenho uma missão que felizmente ainda não terminou. Procuro me fortalecer ainda que cercado por esses pensamentos – ou medo – de morte. Felizmente amo e dificilmente conseguirei partir sem deixar pesar e saudade. O pesar é temporário, o passar definitivo. Resta acreditar e voltar.

O inicio e o meio

Hoje resolvi abrir as ultimas caixas que tinha da mudança. Ao fazer uma rápida triagem para separar cd, dvd, operas, filmes, musicas, fotos etc e tal me dei conta, ao final, que também fiz uma triagem interna sobre todas as circunstancias e emoções por traz do que estava guardado. Me recordei das vezes briguei, discuti e ate pensei em sair de casa ainda que sem saber qual seria o meu caminho. Me lembrei do esforço que fiz para ser feliz e do quanto fui por algum tempo ate cansar e chegar a exaustão. Conquistei a família, a felicidade, o trabalho e a realização pessoal sem um decimo do esforço porque fiz sendo eu mesmo, sem formula predefinida agi no instinto, com amor e sinceridade. Bola pra frente vamos ver quais novas emoções agora refeito e casado temos pela frente.

Voto no Pablo Muniz 25877 porque acredito num futuro melhor e diferente. Só depende da gente

image

“Eu fiz campanha inclusive e imaginei que sendo o foco e recebendo incentivo nossa cidade sairia do buraco. Saiu, entrou em outro agora com recessão, inflação e o governo fez uma farra promovendo um técnico ruim escalando uma seleção de merda com publicidade de vencedores e atuação de amadores. Também já mudei de idéia mais nao podemos parar no meio do caminho porque esta ruim e desagradável.  Sinto que precisamos seguir essa estrada ainda que seja para fazer uma curva la na frente.  A seleção nunca foi, a cidade que ja era ainda tem um “respiro” de pouco mais de 24 meses e devemos tentar mudar as coisas. Perdemos dinheiro o estado empobreceu depois que perdeu uma parte dos royalties e a segurança sentida 2 anos atrás esta passando com novos surtos de violencia. A saúde anda mal e a educação nao decola porque não da voto. Por outro lado políticos presos agora fazem parte do cotidiano lamentavelmente mais é bom prender e tirar quem outrora era imexivel e vai demorar um bom tempo para essa cultura oportunista enraizada na politica brasileira diminuir e deixar de atrapalhar. De alguma forma isso tem que mudar. Nao estamos no melhor nem mesmo no mais confortável rumo das coisas mais começamos de alguma forma ainda que seja a pior delas. Resta votar, votar contra os que votam pelo assistencialismo em todas as suas formas. E contra isso nao adianta se abster ou exluir o voto por nulo ou branco. Tem que ser em um novo personagem quem quer que seja para cumprir o mais importante e unico dever civico que nos iguala um a outro (nao que eu me sinta diferente) ainda mais porque agora tem o voto itinerante entao fica mais fácil.  Eu diria ao COI cuidado estamos de olho e nosso contrato seja qual for vai mudar aqui a banda toca diferente ainda que a música seja aparentemente a mesma para voces e para os outros que estão vendo.”