Questão de perspectiva ou de balança

Se hoje tivesse ideia do quanto importante é viver uma vida saudável, englobando aí exercício, teria no passado certamente optado por esse caminho.

Fui traído pela própria inteligência.

Explico, enquanto criança meus pais, sabiamente me inscreveram na natação do clube. Múltiplos seriam os motivos, creio que além da socialização com outras pessoas eu teria uma atividade, gasto calórico, vitamina D, e por aí vai.

Nadei até conseguir uma medalha de ouro em uma competição do clube. Ato contínuo entreguei a eles a medalha sob o argumento de que ali estava o prêmio que tanto queriam, e que como filho estava liberado para então fazer o que bem entendia.

Manobra inteligente para quem gosta do menor esforço e burra para quem do esforço a longo prazo precisa para se movimentar.

Aproveitei a nada fácil adolescência para entender os motivos que iriam muito além da simples medalha. Da relação mãe bebe do passado ao que de mim esperava no futuro, percebi que aquela tarefa era a mais fácil. E a persistência seria o mais difícil.

Me enveredei na busca de informação, naquela época conciliei o hábito de escutar musica com a então nova era da computação.

E precocemente cheguei a quase viver a vida que não tive, quando executivos da 3M no início de 90 nos fizeram uma visita no Brasil para debater os pontos levantados por mim encaminhado por carta.

Tivesse minha mãe anotado o nome dos executivos nem teria feito advocacia. O destino reservou a mim essa profissão que tanto amo. Por outro lado abandonei a tecnologia de vez, e hoje mais velho percebo que não consigo acompanhar a evolução das coisas.

Um simples aparelho de telefone celular é um caos, tudo se opera na base de gesto. Dane-se os gestos, sou adepto ao bom e confiável botão.

Voltando a balança, hoje vejo o quanto é importante ter uma memória muscular e praticar exercícios constantes. O quanto poderia ter tido uma vida conectada ao esporte e o quanto isso faz bem e relaxa.

Perdi muitos anos. Se antes olhava os idosos na piscina fazendo hidro e pensava para que isso, ou que esse dia não chegará em minha vida tão cedo, hoje estou ca a perceber que a ladeira abaixo chegou antes dos 50.

É uma relação de debito que tenho desde uma vida e que não me iludo, com a carga de trabalho que tenho não é fácil conciliar. As vezes difícil. Impossível. Ai quando tenho tempo e me pergunto o que é mais importante? A satisfação na comida ou a saúde corporal, evidente que o corpo não vem em primeiro lugar.

Não vinha ate o início desse ano. Ainda assim, como cachorro de rua, cedi a tentação e perdi 8 meses de resultado. Nossa como pude fazer isso?! Seja como for, página virada.

Próximo passo é emagrecer com consciência e procurar no processo alguma felicidade.

4 semanas tem balança, semana que vem carnaval, amanhã viajo a trabalho. As cartas estão na mesa.

Superei o vício da coca cola, quase de chocolate, descontei no pão e afins o que não podia. Virando a página das dificuldades e procurando solucionar isso.

E aguardar o próximo capítulo …..

Cara de triste comendo besteira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s